TER, 04 de abr / 2017

Combate à corrupção dinamitou empresas nacionais, diz presidente da CSN

Benjamin Steinbruch condena desmonte da indústria em nome do combate à corrupção e considera que preservação da empresa nacional uma obrigação das autoridades brasileiras.

O diretor presidente da CSN (Companhia Siderúrgica Nacional), Benjamin Steinbruch, publicou um artigo nesta terça-feira (4) em que destaca como o combate à corrupção prejudicou a economia brasileira. Argumentos usados por ele em seu texto são reivindicações e bandeiras antigas da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), por entender que a defesa do conteúdo nacional e uma política industrial de Estado são os principais indutores do desenvolvimento e que empresas e seus trabalhadores não devem ser punidos por desvios de conduta de seus executivos.

Agora, depois do golpe contra a democracia no Brasil, alguns empresários começam a perceber o caminho para o abismo que o ramo industrial está tomando, com o aprofundamento da crise propiciado pelos atuais detentores do poder, a política de negar o conteúdo local, entre outras medidas que têm afetado diretamente a produção e a economia no país.

Confira a seguir, alguns trechos do artigo de Steinbruch:

"A autodestruição da atividade industrial tem uma sequência assustadora nos últimos anos. O necessário combate à corrupção, em vez de punir só os corruptos, está dinamitando empresas nacionais. A indústria naval, a de petróleo, a da construção e agora os frigoríficos são setores importantes diretamente atingidos. Em todos eles, o Brasil alcançou um nível altamente competitivo no cenário global."

"Não é normal um movimento de autodestruição tão grande quanto o que está em curso no Brasil. Falo sobre a indústria brasileira. Vimos há duas semanas um evento no qual um dos setores mais eficientes da indústria brasileira, o de carnes, foi fulminado por uma operação ao que parece precipitada.

O objetivo, absolutamente correto, era interromper atos de corrução na fiscalização de alguns frigoríficos. Estavam envolvidas duas dezenas de unidades num universo de 5.000, ou seja, uma minoria.

O mais certo seria que os responsáveis pela eventual corrupção fossem levados à Justiça para responder pelos seus atos. Mas a comunicação espalhafatosa da operação acabou atingindo em cheio toda a atividade do setor, um dos poucos que ainda prosperam na atual recessão."

Em vez de apenas atingir malfeitores, a operação levantou grandes dúvidas sobre a qualidade das carnes. Imediatamente, vários países cancelaram importações do produto brasileiro à espera de novas garantias das autoridades sanitárias.

Em poucos dias, os frigoríficos, envolvidos ou não na operação, começaram a reduzir a produção, em razão da queda de demanda interna e externa, uma péssima notícia num país em crise: mais recessão, mais desemprego.

(...)

Preservar a empresa nacional deve ser uma obrigação das autoridades brasileiras em todas as áreas: que as pessoas culpadas sejam punidas com o rigor da lei, que as empresas paguem multas por seus erros, mas que a atividade produtiva não seja mais prejudicada."

(Fonte: Brasil 247, com informações da CNM/CUT)

Vídeos

Vídeos TVT

Com a Palavra

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

Folha Metalúrgica - Porto Alegre

Folha Metalúrgica - Porto Alegre - Edição Nº 336
30 de out / 2017

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700