QUI, 21 de dez / 2017

Gasto com pesquisa na indústria automotiva caiu no Inovar-Auto

A indústria automotiva reduziu o gasto com pesquisa e inovação durante a maior parte do tempo em que vigorou o Inovar-Auto, programa lançado em 2012 pela ex-presidente Dilma Rousseff com o objetivo de estimular os investimentos das grandes montadoras no país.

Apesar de terem sido poupadas de cerca de R$ 6,6 bilhões em impostos, as empresas do setor reduziram o volume investido em inovação como proporção da receita líquida entre 2011 e 2014, segundo dados da pesquisa de inovação do IBGE.

São esses os dados que estão na mesa de técnicos do Ministério da Fazenda e da Receita Federal, críticos à renovação de incentivos ao setor automotivo.

O Inovar-Auto expira no fim deste mês, após ser condenado na OMC (Organização Mundial do Comércio), e o governo prepara o lançamento de um programa substituto, com até 15 anos de duração, chamado de Rota 2030.

Os ministérios da Fazenda e da Indústria divergem sobre a manutenção dos incentivos tributários (descontos de impostos) para que a indústria automotiva se comprometa em investir em inovação no novo programa.

O Ministério da Indústria teme que, sem os incentivos, as montadoras deixem o Brasil de fora da pesquisa e desenvolvimento global, particularmente no uso de combustíveis renováveis, como etanol, híbridos e elétricos.

Os técnicos da Fazenda reuniram dados para demonstrar que a indústria automotiva pouco inovou no Brasil, apesar dos incentivos. O principal benefício da política, eles concluíram, foi a proteção à competição externa.

Os números mostram que, entre 2011 e 2014, enquanto a indústria manufatureira ampliou os gastos em pesquisa e desenvolvimento (P&D), o setor automotivo encolheu seus investimentos.

A crise econômica não explica o recuo. Antes de mergulhar na recessão, a indústria de automóveis passou pelo pico de produção e de vendas em 2013, com mais de 3,7 milhões de veículos fabricados no país.

Com a crise, todos os setores sofreram, mas o gasto em P&D só caiu na indústria automotiva. As indústrias de materiais elétricos e a de máquinas e equipamentos, quando comparado com 2011, apresentaram resultados mais positivos nos investimentos em P&D em 2014. A pesquisa do IBGE tem defasagem e os números mais recentes vão até 2014.

Diretor do Iedi (Instituto de Estudos para o Desenvolvimento da Industria) e ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda, Júlio Gomes de Almeida, diz que o setor automotivo no Brasil não inovou porque ficou focado no mercado interno. Investiu em instalações e linhas de produção.

"A aposta exagerada no mercado interno limitou o sucesso do programa", disse. Com a alta do dólar, o setor voltou a exportar, o que é uma boa notícia, diz ele. "A busca por novos mercados é o melhor caminho para incentivar a inovação".

Procuradas, a Anfavea e as maiores montadoras instaladas no Brasil (Fiat, Ford, VW e Hyundai) não comentaram.

Crédito: Folha de S. Paulo
-
 

(Fonte: Folha de S. Paulo)

Vídeos

Vídeos TVT

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

Folha Metalúrgica - Porto Alegre

Folha Metalúrgica - Porto Alegre - Edição Nº 336
30 de out / 2017

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700