QUA, 29 de nov / 2017

Mercedes fará hora extra até abril

Há um ano a principal preocupação na Mercedes-Benz era encontrar saídas para driblar o excesso de pessoal. Depois de licenças e férias, a montadora partira para um programa de demissões voluntárias. Com um largo sorriso, o presidente da empresa, Philipp Schiemer, contou ontem que os operários da fábrica de São Bernardo do Campo (SP) agora vão fazer hora extra dois sábados por mês.

A montadora alemã precisa aumentar a produção de caminhões para atender ao crescimento da demanda tanto no mercado interno como exportações. No caso de ônibus, produzidos na mesma fábrica, ela prepara-se, segundo Schiemer, para encomendas que vão resultar de um novo contrato de exportação na América Latina.

A Mercedes não é a primeira fabricante a decidir pelo trabalho extraordinário aos sábados. Em setembro, sua maior concorrente, a MAN, anunciou a necessidade de trabalhar três sábados por mês até o fim deste ano.

A decisão dos dois maiores produtores de caminhões do país de esticar a jornada indica o otimismo em relação aos sinais de recuperação da economia. Este ano está praticamente perdido para o setor, que estima chegar a dezembro com volumes de vendas no mercado doméstico praticamente iguais às de 2016 - em torno de 50 mil caminhões e 11 mil ônibus.

Mas para 2018 Schiemer conta com crescimento de 20%, que ele chama de "muito realista", para os dois segmentos. Para ele, apesar de positivas as projeções são ainda insuficientes para compensar a retração de 70% no mercado interno nos três últimos anos.

O entusiasmo nas montadoras reflete-se nos fornecedores. O presidente do Sindicato da Indústria de Componentes (Sindipeças), Dan Ioschpe, diz que o faturamento do setor tende a crescer mais de 6% em 2018. A última projeção da entidade indica crescimento de mais de 10% já na receita de 2017. Segundo ele, também na indústria de autopeças, as exportações ajudaram a crescer.

As vendas externas absorvem hoje entre 35% e 40% da produção. Somente nas montadoras, desde o início do ano, foram abertos 5,6 mil postos de trabalho, o que representa um avanço de 4,6% no nível de emprego do setor em relação a dezembro de 2016.

O aumento no ritmo de trabalho não se limita ao segmento de veículos pesados. Na semana passada, a Volkswagen retomou a produção em três turnos na fábrica de automóveis de São Bernardo do Campo para atender à demanda pelo Polo, recém-lançado, e o início de produção do sedã Virtus.

Mas as jornadas mais longas na indústria de veículos nem sempre refletem horas extras. Com a crise, as montadoras recorreram a bancos de horas. Ou seja, o trabalho extraordinário de hoje compensa o que deixou de ser feito em tempos difíceis.

(Fonte: Valor Econômico)

Com a Palavra

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

Folha Metalúrgica - Porto Alegre

Folha Metalúrgica - Porto Alegre - Edição Nº 336
30 de out / 2017

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700