TER, 07 de ago / 2018

Metalúrgicos lutam para impedir retirada de direitos das mulheres

Com a "reforma trabalhista", os retrocessos atingem principalmente as trabalhadoras, que estão com seus direitos ameaçados, alerta a Federação dos Sindicatos de Metalúrgicos da CUT de São Paulo (FEM-CUT), após negociações com a bancada patronal para manter as cláusulas que beneficiam a mulher na convenção coletiva.

Entre as principais pautas estão os direitos das gestantes e mães recentes. A atual convenção da categoria estabelece que, quando a mãe volta de licença maternidade, ela tem direito a entrar meia hora antes ou sair meia hora depois do seu expediente até a criança completar seis meses.

Mas a federação denuncia que a licença amamentação remunerada, garantida na convenção coletiva de trabalho da categoria, está ameaçada nas negociações da campanha salarial deste ano. As empresas querem retirar esse e outros direitos. "Eles querem uma convenção coletiva 'enxuta' de direito, jogando todas as nossas negociações na lata do lixo. Não podemos achar que isso é normal", alerta Andréa Ferreira, secretária da Mulher da FEM-CUT, em entrevista à repórter Michele Gomes, da TVT.

Andrea Chagas Santos, ajudante geral numa metalúrgica em Diadema, é uma das trabalhadoras beneficiadas pela convenção. Além dos quatro meses de licença que a lei prevê, ela teve direito à licença remunerada de 15 dias para poder amamentar a filha recém nascida, por conta do acordo do sindicato com os patrões. "Minha filha, graças a Deus, ela é bem de saúde. A primeira amamentação da criança é muito importante porque vai evitar infecções e doenças, porque a criança não tem a imunidade necessária", conta.

De acordo com a sindicalista, o maior desafio da representação dos trabalhadores é conseguir manter as garantias em dois grupos: o 3, dos trabalhadores de autopeças, forjarias e parafusos, e o 2, dos funcionários em empresas de máquinas e eletrônicos.

O setor patronal do Grupo 2 quer alterações em 55 das 64 cláusulas já firmadas na convenção coletiva. Já o do Grupo 3 propõe mudar 38 itens. Andréa explica que os sindicatos patronais se utilizam das mudanças na "reforma" Trabalhista para tentar impor a retirada de direitos. "Eles estão com aquela vontade mesmo de aplicar a 'reforma' trabalhista", lamenta.

(Fonte: Rede Brasil Atual)

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

Folha Metalúrgica - Porto Alegre

Folha Metalúrgica - Porto Alegre - Edição Nº 336
30 de out / 2017

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700