QUI, 03 de set / 2020

CNM/CUT apresenta para sindicalistas internacionais projeto da entidade de indústria inclusiva

Secretário de Relações Internacionais da entidade falou do Projeto Indústria 10 da CUT e CNM que visa acabar com a desigualdade do setor e colocar ser humano no centro da integração produtiva regional

Crédito: Divulgação
debate internacional
debate internacional

Representada pelo Secretário de Relações Internacionais, Maicon Michel Vasconcelos da Silva, a Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM-CUT) apresentou a situação da indústria brasileira para membros da Coordenação Nacional dos Trabalhadores na Indústria (CNTI-CTAA), que se reuniu virtualmente nesta quarta-feira (2).

Ele falou sobre a situação da indústria brasileira, o papel dos sindicatos industriais diante do avanço neoliberal, das novas tecnologias e da necessidade de internacionalização das lutas dos trabalhadores perante dirigentes de diversos setores associados na CTA-Autônoma e pediu "a geração de processos de unidade nacional e regional para fortalecer o movimento sindical" e argumentou que "o Brasil é o prelúdio do inferno neoliberal".

Vasconcelos da Silva referiu-se ao Projeto Indústria 10 Mais que, segundo ele, é um plano que desenvolvemos na CNM e na CUT olhando para a política brasileira até 30 anos à frente e para isso “e precisamos de uma política industrial massiva de cunho estatal para aumentar a produtividade, acabando com a desigualdade do setor, para que o ser humano esteja no centro da integração produtiva regional "em oposição aos neoliberais que querem destruir nosso parque industrial e nos deixar de  joelhos aos interesses estrangeiros”.

O dirigente disse que é preciso promover a atualização, diversificação e integração no setor para o que destacou “a importância de um espaço como o CNTI porque a classe trabalhadora tem a obrigação histórica de iniciar a integração regional, para avançar contra o capital financeiro e para gerar uma greve geral regional contra o neoliberalismo.

E disse que “desde 2012 começamos a desenvolver um processo de unidade nos setores representativos de nossa sede, que chamamos de Macrossetor da Indústria, que é como o CNTI, com a mesma proposta de desenvolver uma política industrial conjunta da classe trabalhadora, não faz sentido estar separado quando capitais transnacionais estão unidos ".

No Brasil tem quatro Macrossetores: Indústrias; Rural; Comércio, Transporte e Logística; e Setor Público. A indústria representa 7% da massa trabalhadora, 10 milhões de trabalhadores.

 

Crédito: Divulgação
Maicon Michel
Maicon Michel 

“A partir do qual lutamos a terceirização promovemos a organização do trabalho, saúde, segurança, oportunidades iguais para jovens negros, indígenas, mulheres, integração regional e a campanha salarial articulada porque o Brasil é o prelúdio do inferno neoliberal”, disse o dirigente.

Ele também fez uma análise detalhada da indústria brasileira dos últimos 50 anos, a partir do nefasto papel das ditaduras e do neoliberalismo que "colocaram em xeque a industrialização, que não olhou para ciência e tecnologia, fechou fábricas, fez dispensas, cortou direitos.

“A melhor política industrial defendido pelo governo da época era não ter uma uma política industrial e fizeram uma abertura comercial sem contrapartida para as grandes transnacionais, todo aquele período foi muito doloroso para nós trabalhadores e para a economia nacional”.

Governos progressistas

Ele destacou como mudou em 2002 “com as eleições do camarada Lula quando foi implantada uma política democrático-popular que começou a retomar o crescimento da indústria nacional, com mais investimentos no setor, com espaço para a especialização dos trabalhadores dentro e fora do país, para adquirir os conhecimentos necessários ao desenvolvimento da produção nacional. Essa evolução que foi conquistada no período Lula até o golpe contra Dilma Rousseff em 2016”.

Sobre essa questão, ele apontou contra os meios de comunicação concentrarem na Globo no ataque e queda dos governos de esquerda. E traçou um gráfico.

Em junho de 2013 ocorreu  no Brasil vários movimentos que se assemelham aos da Primavera Árabe, onde os empresários aproveitaram essas marchas para derrubar governos, havia muito investimento estrangeiro que financiaram,  em maior ou menor grau, grupos participantes para claramente derrubar o governo Dilma. Nesse processo, e com alguns equívocos na condução e resolução do problema, o governo do PT aprovou duas coisas perigosas: a lei de segurança nacional baseada nos princípios norte americanos de combate à corrupção e uma mudança na política econômica com acenos ao capital financeiro. Não podíamos mais governar pois o parlamento chefiado por Eduardo Cunha travava toda pauta para retomada da economia. Assim começou o golpe parlamentar-judicial-midiático-militar e o ataque à classe trabalhadora com as reformas trabalhistas, terceirização, fechamento de sindicatos e com a lei de segurança nacional passam a criminalizar os movimentos sociais no Brasil. Há um processo de apropriação dos recursos naturais do Brasil pelo capital transnacional, principalmente dos Estados Unidos, que impede o desenvolvimento nacional de forma soberana ”.

 “Não promoveram o Golpe para nos devolver pacificamente o governo nas eleições seguintes ”, diz Vasconcelos da Silva. “Por meio de mensagens no WhatsApp, notícias falsas, a guerra híbrida leva Jair Bolsonaro ao poder, mas o principal é a causa Lava Jato que visa criminalizar partidos de esquerda, movimentos sociais e aprisionar toda a linha sucessória de Lula e Dilma. Lula era apontado como predileto no pleito presidencial, até na prisão onde foi colocado ao arrepio da lei. Por isso o golpe institucional, com a participação do STF que impede Lula de ser candidato. Já o mais alto tribunal de Justiça admite que houve perseguição a Lula. E hoje sofremos com um governo que só retira direitos, destrói a economia e promove a violência e o negacionismo baseado em uma política autoritária ”.

Referindo-se à situação política regional, o dirigente sindical brasileiro afirmou que “a Argentina é hoje um oásis de democracia na América do Sul. Alberto Fernández põe dinheiro no bolso dos trabalhadores. O Bolsonaro é o contrário, ele não cuida da economia nem da vida do seu povo ”.

Sobre a pandemia Covid-19, ele diz: “Hoje não sabemos nada sobre o coronavírus pelos órgãos oficiais. Existe um apagão de informações no Brasil. Eles dizem que há 123.000 mortos, mas com base na subnotificação que alguns orgãos apontam, podemos estar falando possivelmente um milhão; Existem mais de 3 milhões de infectados, mas, podemos estar falando de dezenas de milhões. Os homicídios policiais aumentaram exponencialmente neste período de pandemia: homicídio de lideranças sociais, sindicais, afro e indígenas, falamos de homicídio a cada dois dias ”.

“Estamos passando por essa pandemia com cortes na saúde, sem uma coordenação efetiva do Ministério que tem sido chamado por diversos movimentos sociais como uma necropolítica que nega a situação delicada em que vivemos e que vitima centenas de milhares de pessoas. Com mais de 26 milhões de desempregados, é um escândalo o que temos passado" lamenta.

Diego Seimandi, operário e dirigente de Astilleros Río Santiago “agradeceu a Maicon e aos metalúrgicos do Brasil pela solidariedade conosco durante o governo de Mauricio Macri no qual geramos uma comunidade impressionante, caminho que percorremos juntos. O que eles estão passando agora é o que estamos vivenciando com Macri, a perseguição ao sindicalismo. O caminho é união, luta e trabalho ”.

Por fim, Adolfo Fito Aguirre, secretário de Relações Internacionais do CTA-Autônoma e coordenador da CNTI, disse: “Estamos unidos por uma história de luta, contamos conosco para trabalharmos juntos contra o fascismo no Brasil e espero que possamos reconstruir nossas forças a favor do democracia".

Ações unitárias

Saimos com uma agenda conjunta para que “em outubro, novembro ou dezembro tenhamos uma reunião com colegas do Brasil, Uruguai, Paraguai, México e Chile, para fortalecer o internacionalismo, porque a disputa é no continente e não só com os Estados Unidos, mas também com outras nações imperialistas, e a classe trabalhadora deve trabalhar em políticas nacionais e regionais soberanas para alavancarmos nossas economias.

 

Matéria publicada no site da CTA

 

 

Com a Palavra

SEX, 11 de set / 2020

A Volta da Carestia

Escrito por Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

O Metalúrgico

O Metalúrgico - Edição Nº 15/07/2020
15 de jul / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700