QUI, 07 de jan / 2021

Empresas de energia não estão investindo na transição justa

Um novo relatório encomendado pelo IndustriALL Global Union expôs a lacuna entre a retórica e a realidade, já que as principais empresas de energia não estão apoiando os compromissos climáticos com investimentos

Crédito: Divulgação
Transição Justa
Transição Justa

No relatório Perspectivas e Tendências de Transição de Energia: Padrões, Cenários e Impactos , produzido pelo Ineep , agência brasileira de pesquisa especializada no setor de energia e apoiada por sindicatos, os pesquisadores examinaram em profundidade as estratégias corporativas, os investimentos e o atuação no mercado das principais empresas de energia, além de entrevistas com sindicalistas que nelas atuam.

O relatório compara a estratégia corporativa com o texto sobre Transição Justa incluído no Acordo de Paris de 2015 e a Declaração da Silésia na COP24 e leva em consideração informações obtidas junto à Agência Internacional de Energia. Além disso, descreve a matriz energética atual e faz previsões para o futuro, por empresa e por região.

Uma tendência imediatamente aparente é a lacuna entre a retórica corporativa sobre tornar o futuro mais verde e os investimentos. A maioria das empresas de energia embarcou em grandes campanhas de relações públicas, às vezes renovando completamente sua imagem, nas quais mencionam a transição energética. No entanto, o relatório mostra que mesmo a Total, a empresa com a maior porcentagem de investimento, investiu apenas 4,5 por cento de seus gastos de capital em energia renovável. A maioria das outras empresas investiu metade ou menos desse montante.

Esta informação é baseada em dados de 2019. A pandemia de coronavírus e a volatilidade do preço do petróleo aceleraram o investimento em energia renovável, mas não há evidências claras de uma mudança na tendência geral.

Uma divisão regional mostra que as empresas da UE - que têm o ambiente político mais desenvolvido - investiram mais na transição, enquanto as empresas chinesas e russas investiram menos. O relatório prevê que, apesar da derrota eleitoral de Donald Trump, os Estados Unidos provavelmente manterão sua política energética atual, que depende de combustíveis fósseis.

As empresas estão expandindo seus investimentos em energias renováveis ​​- na verdade, protegendo suas apostas em futuros potenciais - enquanto esperam continuar obtendo a maior parte de sua receita de combustíveis fósseis. As estratégias de transição estão sendo desafiadas dentro das empresas de energia, como demonstrado pelas recentes demissões de executivos da Shell causadas pelo aborrecimento com o ritmo lento da transição energética.

O relatório apresenta a situação atual e as projeções para o emprego no setor das energias renováveis, com desagregação por região e por fonte de energia. Não há garantias de empregos de qualidade: até 2050, dois terços dos 25 milhões de empregos previstos para as energias renováveis ​​serão na energia solar, enquanto a maioria será no setor eólico onshore. No entanto, a maioria desses empregos será encontrada na fabricação de componentes, bem como na construção e instalação. A previsão é de que sejam gerados cerca de 5 milhões de empregos na área de operação e manutenção, a maioria trabalhos manuais.

Entrevistas com sindicalistas mostram que as empresas em grande parte não comunicaram a seus trabalhadores sobre a transição energética.

Diana Junquera Curiel, diretora de energia do IndustriALL, disse:

“Este relatório mostra que as empresas de energia estão investindo em marketing, não em energia renovável. Eles pretendem continuar com suas atividades normalmente até que sejam forçados a mudar por circunstâncias externas.

“A menos que ajamos agora para nos tornarmos parte do processo de tomada de decisão, isso terá consequências muito dolorosas para os trabalhadores. Devemos insistir para que as empresas estabeleçam planos claros de transição energética que atendam aos requisitos do Acordo de Paris e que comuniquem esses planos a seus funcionários. Eles têm que estabelecer negociações contínuas com os sindicatos para gerenciar essa transição e garantir que as habilidades e os empregos sejam mantidos. ”

“Devemos também continuar a pressionar nossos representantes políticos para planejar e legislar para uma Transição Justa”.

*matéria publicada no site da Industriall

 

Com a Palavra

SEG, 18 de jan / 2021

Retomar a produção nos parques industriais com ou sem a Ford

Por Paulo Cayres, Sérgio Nobre e Vagner Freitas

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022 - Edição Nº SET/2020
25 de set / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700