SEX, 19 de mar / 2021

Metalúrgicos protestam por plano de vacinação em frente à prefeitura de Sapucaia do Sul

Comitê em Defesa da Vida no município cobrou também auxílio emergencial com recursos municipais para sapucaienses

Crédito: Divulgação
Metalúrgicos em protesto por vacinas
Metalúrgicos em protesto por vacinas

Dirigentes do Sindicato dos Metalúrgicos de São Leopoldo e Região (STIMME-SL) protestaram na frente da prefeitura de Sapucaia do Sul, na tarde desta quinta-feira (18), exigindo que o prefeito Volmir Rodrigues receba os representantes dos trabalhadores para debate transparente sobre o plano de vacinação, renda básica municipal e controle da pandemia de covid-19 na cidade.

Também participaram do ato o vice-presidente da entidade, Rogério Bandeira cidade, o “Bicudo” e Gerson Mattos, tesoureiro do sindicato e mais conhecido como “Frangão”, além de parlamentares e militantes de partidos políticos de esquerda

Até o momento, mais de 267 sapucaienses morreram em decorrência do novo coronavírus e  8.194 casos foram confirmados no município, que conta 141.808 habitantes.

Para o presidente STIMMME-SL, Valmir Lodi, o prefeito está sentado em cima do ofício com o pedido de reunião, um sinal claro de que se nega a dialogar com os trabalhadores e conjunto da sociedade.

“ Nós queremos dizer à sociedade que temos responsabilidade, exigimos a vacina para todos e todas,  o prefeito precisa elaborar um plano de vacinação, pois nem isso ele tem. Sapucaia não é um ilha isolada dentro do Rio Grande do Sul e precisa adotar medidas que garantam saúde e renda para a população. O povo está amedrontado, com medo de sair para trabalhar, porém, se não fazem isso, passam fome. Nem álcool gel e mascaras a prefeitura distribui para o povo mais pobre”, criticou Valmir.

Conforme o metalúrgico o debate com os sindicatos é legítimo, mas, até agora, contrariando o discurso de campanha, Rodrigues se recusa a receber o comitê em defesa da vida e pela vacina do município.

“Nós não vamos abandonar os trabalhadores de sapucaia, viemos até aqui com um grupo reduzido, buscando preservar a saúde de todo mundo, no entanto, se for preciso colocar 50 ou até 100 trabalhadores na frente da prefeitura para conseguir essa audiência com o poder público municipal, nós vamos para o embate”, pontuou Lodi.

“A vida das pessoas precisa ser prioridade neste momento tão grave de pandemia. O prefeito de Sapucaia do Sul precisa apresentar qual a proposta de compra de vacina que ele tem para cidade onde mora. As pessoas estão morrendo, inclusive eleitores dele. O que está em discussão é a vida ou morte dos cidadãos sapucaienses”, destacou o secretário-geral da Confederação Nacional dos Metalúrgicos (CNM/CUT) e diretor do sindicato dos metalúrgicos, Loricardo de Oliveira.

Emprego e renda

Conforme Loricardo, a discussão sobre um modelo de geração de emprego e renda também está na agenda dos manifestantes.

“Temos de discutir o tipo de emprego que queremos aqui, se é de caráter comercial ou industrial. Sem trabalho a roda da economia não gira e todos pagam o preço. Quando a pandemia acabar, é necessário que haja um projeto de desenvolvimento para Sapucaia do Sul”, concluiu.

“Queremos que Sapucaia traga empregos pra cá, mas a vida vem em primeiro lugar.  O prefeito se atrasou para entrar no consórcio para compra de vacinas. Mais de 470 municípios já fazem parte do grupo e Rodrigues só mandou o projeto para câmara de vereadores hoje, sendo que o prazo final encerra neste sábado. Um Projeto de renda mínima para a população nem passa pela cabeça dele”, criticou o vereador do Partido dos Trabalhadores, Atila Andrade.

A presidente do Partido dos Trabalhadores da região denunciou a escalada do número de mortes pelo coronavírus.

“Falta muito pouco para que trezentas famílias enterrem seus familiares. Quem vai consolar a dor das mães? De quem é a culpa desta negligência com o povo sapucaiense. É do poder público, do Genocida do Bolsonaro, do governador Eduardo Leite e também do prefeito Rodrigues”, desabafou Ana Lúcia Fagundes.

*matéria publicada no site do STIMMME SL

Com a Palavra

TER, 16 de fev / 2021

Por que é necessário nacionalizar a Ford e criar uma montadora brasileira?

Escrito pelo diretor executivo do Sindicato e presidente do Industriall-Brasil, Aroaldo Oliveira da Silva, e pelo presidente da Central de Cooperativas Unisol Brasil e diretor da Unicopas, Leonardo Pinho

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022 - Edição Nº SET/2020
25 de set / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700