SEX, 07 de ago / 2020

No Ato Nacional, em SP, CUT e centrais defendem impeachment de Bolsonaro

Atos organizados pela CUT, demais centrais e movimentos sociais em todo o país pedem ‘Fora, Bolsonaro’, defendem a vida e os empregos

Crédito: CUT RS
7 de agosto fora Bolsonaro
7 de agosto fora Bolsonaro

No Dia Nacional de Luto e de Luta em Defesa da Vida e do Emprego, os presidentes da CUT, Sérgio Nobre, e os das demais centrais se uniram num ato nacional na Praça da Sé, centro de São Paulo. Foi um ato vida e pelos empregos, que exigiu o fim do governo de Jair Bolsonaro (ex-PSL), formado por um grupo incompetente e omisso, que não conseguiu coordenar uma ação nacional para combater o novo coronavírus, nem criar uma política de manutenção dos empregos e da renda.

A Praça da Sé, que já foi palco de grandes manifestações pelo fim da ditadura militar e pelas “Diretas Já“, recebeu na manhã desta sexta-feira (7), trabalhadores e trabalhadoras que pediram “Fora Bolsonaro, por uma política de saúde para enfrentar a pandemia da Covid-19 e pela geração de empregos”, neste que é o Dia Nacional de Luta e Luto pela Vida e por Empregos. O ato também homenageou as quase 100 mil vítimas fatais da doença que o país vai atingir esta semana.

O pedido de impeachment e o grito de ‘Fora, Bolsonaro’ foram unânimes nos discursos dos dirigentes sindicais. Eles destacaram que o país só voltará a crescer e com justiça social se Bolsonaro e sua turma deixarem a presidência da República.

“A CUT, junto com diversos momentos, pediu o impeachment do Bolsonaro porque ele não tem condições e estatura para governar o Brasil”, disse Sérgio Nobre, que completou: “Se Bolsonaro tivesse dignidade, renunciaria. Mas ele não tem humildade, grandeza. Por isso, o impeachment é condição fundamental para que este país retorne ao caminho de desenvolvimento com justiça social”.

Carregando faixas contra o presidente, cruzes simbolizando os brasileiros que perderam a vida para a Covid-19, além de cartazes, os manifestantes, entre eles o Padre Julio Lancelotti, da Pastoral dos Moradores de Rua, e de representantes das frentes Brasil Popular e do Povo sem Medo, afirmaram que o ex-capitão do Exército não tem a mínima condição de governar o país que está prestes a atingir as 100 mil vidas perdidas para a pandemia.

Em seu discurso, o Padre Silvio Lanceloti afirmou que a campanha do governo é inaceitável , é uma politica que mata os trabalhadores, os povos indígenas, quilombolas, os LGBTS, que despreza os desempregados e o povo das ruas.

“ Este é um momento de solidariedade, aos que estão enlutados, doentes nos hospitais, aos desprezados, ao povo sem terra. É um momento de humanismo, de solidariedade. Não importa a religião, se é ateu ou agnóstico. O importante é ressaltarmos o humanismo”, disse o padre ao pedir uma oração pelas vítimas da pandemia.

O desdenho de Bolsonaro para com a vida de milhares de pessoas também foi criticado por Sérgio Nobre.

"Bolsonaro desdenhou da pandemia, desdenhou dos mais pobres, da ciência e olha agora o que está acontecendo com nosso povo. É muito triste. Uma tragédia. Estamos chegando à triste marca de 100 mil mortos no nosso país”, disse Sergio Nobre.

Organizado com os cuidados para se evitar aglomerações e manter o distanciamento social necessário para evitar a contaminação,  o presidente da CUT destacou que o “objetivo com este dia de luta, o 7 de agosto, nunca foi colocar milhares de pessoas na rua, no mesmo local, porque somos defensores da política de isolamento social para enfrentar a pandemia. Mas muitas dessas milhares de mortes teriam sido evitadas se o governo tivesse feito seu trabalho com competência desde o início da pandemia”.

Segundo Sergio Nobre, o Dia Nacional de Luta acontece hoje porque não podemos permitir que as pessoas achem natural o país atingir cem mil mortes por Covid-19, em especial quando essas mortes são dos mais pobres, dos mais vulneráveis.

“Nós fazemos este ato para chamar a atenção de que o país chegará a 180 mil mortes, e que poderemos sair dessa pandemia com a triste marca de campeão de mortes. Isso não é normal. Se tivéssemos um presidente a altura do nosso povo, isso não estaria acontecendo”, afirmou o presidente da CUT.

Em seu discurso, Nobre lembrou que as centrais sindicais, desde o início, avisaram que o governo federal tinha de coordenar um processo de isolamento no Brasil inteiro. Assim, se preservaria vidas e empregos e o país sairia desta pandemia mais rapidamente.

“Sempre dissemos que é importante proteger empregos durante a pandemia, proteger as micro e pequenas empresas, que não conseguem pegar empréstimos. Mas o que está acontecendo agora? Essas micro e pequenas empresas estão quebrando, e o que tem por trás delas? Um trabalhador, uma trabalhadora , que montou um pequeno negócio para sustentar a família, e agora estão quebrando aos milhões”, disse

Unidade da CUT e demais centrais sindicais

Sergio Nobre lembrou que neste momento de grave crise econômica que o país vem passando, tem sido fundamental a unidade da CUT e demais centrais para a luta em defesa dos trabalhadores e das trabalhadoras.

“Neste momento tão triste e difícil do País, quero cumprimentar cada sindicato de base, que está fazendo manifestações nos locais de trabalho em todo o Estado de São Paulo e por todo o Brasil”.

O presidente da Central Geral dos Trabalhadores do Brasil (CGTB) Ubiraci Dantas de Oliveira, o Bira, afirmou que o Brasil está sem comando e a situação do nosso povo é calamitosa porque o governo não entrega recursos para as micro pequenas e médias empresas, e os estados e municípios não recebem os recursos. Para ele, a intenção de Bolsonaro é criar o caos e conduzir o país ao autoritarismo.

“Bolsonaro quer criar o caos e criar o caos para depois sair com uma alternativa autoritária, a ditadura. Mas, não vai ser um ‘ capitãozinho de quinta categoria’ que vai impedir o povo de viver com liberdade, com condição de vida, com emprego e com direitos”, afirmou o dirigente da CGTB.

O presidente da Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil (CTB), Adilson Araújo, reforçou que o Dia de Luto e Luta é uma data para marcar profundamente nossas vidas com o desprezo de Bolsonaro pelas mortes. Araújo ressaltou que o presidente não lamentou as 100 mil mortes e sim mandou “ tocar a vida”.

“Como podemos tocar a vida? Não tenho dúvida que milhões de brasileiros têm motivação e disposição para tocar a vida, mas como tocar a vida  diante de um desgoverno que não tenha atenção pro seu povo?, questionou.

O dirigente afirmou ainda que a preocupação de Bolsonaro e do ministro da Economia, o banqueiro Paulo Guedes é com o mercado financeiro. De acordo com Araújo, a primeira coisa que Bolsonaro fez foi socorrer os bancos com mais de R$ 100 bilhões .

“Se existe uma parcela da economia que não precisava de atendimento eram os bancos, o rentismo”, afirmou.

Pedidos de fora Bolsonaro também foram feitos pelo representante da Central dos Sindicatos do Brasil (CSB), Antonio Neto. Para ele, é preciso lutar contra um governo que quer acabar com as instituições.

“ Bolsonaro quer desmoralizar as instituições para dar um golpe .Não podemos aceitar de forma nenhuma e estaremos defendendo o nosso país contra qualquer ditadura e opressão. Em nome do povo do Brasil, fora Bolsonaro”, declarou.

Além da perda das vidas de milhares de brasileiros e brasileiras, o representante da Intersindical afirmou que a luta também é por emprego, salários e direitos.

 “ São quase 40 milhões de brasileiros que não procuram emprego por causa da pandemia. O desemprego é gigantesco, mas o governo só envia projetos para reduzir direitos.  Por isso reivindicamos a extensão do auxílio emergencial e mais parcelas do seguro desemprego”.

O dirigente ainda chamou o governo Bolsonaro de assassino, e que a única  alternativa para salvar vidas é retirá-lo do poder.

“ A luta da classe trabalhadora vai derrubar este governo e construir uma  alternativa de poder de Bolsonaro”, afirmou.

Para o vice-presidente da Nova Central, Luis Alberto dos Santos, o Luisinho,  o número de mortos ainda pode subir com a pressão do poder econômicos sobre governadores e prefeitos que começam a flexibilizar a quarentena, indo no mesmo caminho que Bolsonaro defende.

“ Bolsonaro é um capitão de segunda classe que quer a ditadura militar. Nós precisamos é de emprego, recuperar as empresas. Mas este governo sí dá dinheiro pra banqueiro. Fora Bolsonaro e Viva o SUS”, finalizou.

Para Ricardo Patah, da União Geral dos Trabalhadores (UGT), o  momento que a Igreja se uniu ao movimentos sociais e sindicais para acabar com a ditadura, em respeito à vida.

“ A solidariedade entre nós tem de ser cada vez maior pra superar a crise econômica e a ditadura que se avizinha,  caso não tenhamos solidariedade em prol do povo brasileiro. Não podemos deixar este governo acabar com os brasileiros”.

Ao final do ato, o presidente da CUT , Sergio Nobre, pediu uma salva de palmas aos trabalhadores da saúde, que estão na linha de frente da pandemia, aos motoristas, e aos professores e profissionais da educação, que ,segundo ele, não devem aceitar o retorno presencial às aulas.

“Prefeito e governador que mandar voltar às aulas agora é tão genocida quanto o Bolsonaro. As crianças devem ficar em casa. E viva a classe trabalhadora”, encerrou.

Saiba mais

Minuto a minuto: Hoje é 'Dia de Luto e de Luta Em Defesa da Vida e do Emprego'

Dia de Luta em Defesa da Vida e do Emprego mobiliza trabalhadores em todo o país

#7DeAgosto: Das grandes capitais ao Sertão do Pajeú, país ocupou ruas e redes

 

*matéria publicada no site da CUT

 

Com a Palavra

SEX, 11 de set / 2020

A Volta da Carestia

Escrito por Sindicato dos Metalúrgicos do Amazonas

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022 - Edição Nº SET/2020
25 de set / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700