TER, 23 de fev / 2021

Trabalhadores na Nakata no ABC também são vítimas da falta de política industrial

“Estamos vivendo um completo descaso do governo em relação à questão da indústria, dessa forma o desemprego não cessará”, denunciou o secretário-geral do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Moisés Selerges

Crédito: Adonis Guerra
Trabalhadores na Nakata
Trabalhadores na Nakata 

O ano de 2021, terceiro da gestão Bolsonaro e Paulo Guedes, começou com avisos de fechamento de empresas e mais desemprego. Em janeiro, a gigante Ford anunciou sua saída do país com o encerramento das atividades nas três plantas brasileiras. O governo federal, que em um momento crítico econômico, em meio à pandemia de coronavírus, não apresenta nenhuma política de desenvolvimento industrial, deu de ombros.

Dadas as circunstâncias, os anúncios se seguiram. No começo de fevereiro, os trabalhadores na Nakata, em Diadema, foram surpreendidos com a decisão da direção de deixar São Paulo rumo à Extrema, em Minas Gerais. Desde então, apoiados pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC (SMABC), iniciaram um processo de mobilização para tentar reverter a decisão e preservar os 225 empregos.

“A Nakata é mais uma empresa que fecha por falta de política industrial. Estamos vivendo um completo descaso do governo em relação à questão da indústria, dessa forma o desemprego não cessará”, denunciou o secretário-geral do Sindicato, Moisés Selerges.

“Nossa maior preocupação é que essas não são as únicas, outras empresas também encerrarão suas atividades ou se mudarão porque, mais uma vez, não tem política para a indústria. A indústria que tinha papel importante no PIB e na geração de emprego precisar ser retomada. Até quando vamos aguentar isso? Quantos empregos serão necessários perder para que haja uma reação contra tudo isso?”, reforçou.

Crédito: Adonis Guerra
Moisés Selerges
Moisés Selerges

Negociação e luta

Após algumas reuniões com a direção da empresa, que se mostrou irredutível quanto a deixar Diadema, os representantes do Sindicato, respaldados pelos trabalhadores, passaram a negociar uma indenização para não deixar a companheirada na mão.

Em plenária na tarde da última sexta-feira, 19, na Regional Diadema, os dirigentes do Sindicato apresentaram aos companheiros os detalhes da negociação com a fábrica, que inclui, além dos valores a serem recebidos, continuidade do plano médico e da cesta básica para todos por seis meses após o fechamento.

“Desde o momento do anúncio, os trabalhadores se mostraram mobilizados para lutar pela permanência da fábrica e assim tentar preservar os empregos. Fizemos todo o possível, mas, diante da decisão da fábrica, negociamos uma indenização que trouxesse mais dignidade após o impacto causado na vida de cada um. Sabemos que não resolve a questão do desemprego, já que o dinheiro acaba, mas ajuda a passar com mais tranquilidade por esse período difícil. Desejamos boa sorte a todos e todas, contem sempre com os Metalúrgicos do ABC”, reforçou o coordenador de área João Paulo Oliveira dos Santos.

Para garantir que todos os direitos sejam pagos devidamente, os dirigentes sindicais reivindicaram que todas as homologações sejam feitas no Sindicato, apesar de a reforma Trabalhista permitir que sejam realizados diretos na fábrica.

*matéria publicada no site do SMABC

 

Com a Palavra

TER, 16 de fev / 2021

Por que é necessário nacionalizar a Ford e criar uma montadora brasileira?

Escrito pelo diretor executivo do Sindicato e presidente do Industriall-Brasil, Aroaldo Oliveira da Silva, e pelo presidente da Central de Cooperativas Unisol Brasil e diretor da Unicopas, Leonardo Pinho

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022 - Edição Nº SET/2020
25 de set / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700