SEX, 13 de nov / 2020

Um sindicato da Mongólia luta contra o assédio sexual no trabalho

A federação sindical filiada ao IndustriALL, MEGM, pediu ao governo da Mongólia que reveja as leis trabalhistas do país para proteger os direitos das mulheres

Crédito: Industriall
Internacional
Internacional

57,9% das mulheres mongóis pesquisadas sofreram violência física , sexual, emocional e econômico e 31,2% sofreram violência física ou sexual, de acordo com "Breaking the Silence for Equality: 2017 National Study on Gender Based Violence in Mongolia", encomendado pelo United Nations Population Fund (UNFPA).

O governo da Mongólia tomou medidas ativas para eliminar a discriminação de gênero. Em 2011, uma lei que promove a igualdade de gênero foi promulgada permitindo que os sindicatos registrem queixas sobre discriminação de gênero no local de trabalho, incluindo assédio sexual, junto à Comissão Nacional de Direitos Humanos.

Em 2015, o governo introduziu uma lei sobre o assédio sexual. No entanto, foi descartado após dois anos, pois um parlamentar argumentou que a violência sexual já era proibida e que uma lei separada contra o assédio sexual poderia ser mal utilizada e injusta para os homens.

Dirigindo-se aos 40 participantes da conferência de mulheres da Federação Mongol de Sindicatos de Trabalhadores em Energia, Geologia e Mineração (MEGM), realizada em Ulaanbaatar de 5 a 6 de novembro, o Presidente Buyanjargal Khuyag da MEGM, expressar:

“30 por cento dos nossos membros são mulheres que trabalham 12 horas por dia lado a lado com homens e em condições difíceis e perigosas. Após 28 dias de trabalho no meu e 14 dias de folga, existe o risco de abuso infantil e divórcio. É importante revisar a legislação trabalhista para proteger as mulheres e seus direitos ”.

A Secretária de Energia e chefe do comitê feminino do MEGM, Dolgor Duinaakhuu, declarou:

“Muitas vítimas relutam em denunciar porque informações confidenciais sobre violência sexual costumam ser reveladas em processos judiciais. Para que as mulheres não se sintam intimidadas, o governo deve estabelecer procedimentos fáceis e confortáveis ​​para lidar com as queixas de assédio sexual ”.

“A tendência de culpar as mulheres persiste em todas as áreas da sociedade, os estereótipos de gênero exigem que as mulheres tolerem a violência doméstica e obedeçam cegamente a seus maridos”.

A secretária regional do IndustriALL para o Sudeste Asiático, Annie Adviento, declarou:

“Parabenizo a MEGM por organizar a bem-sucedida conferência de mulheres que destaca as questões de igualdade de gênero, incluindo a Convenção 190. É fundamental que os sindicalistas façam campanha para eliminar a violência e o assédio no trabalho, especialmente após o incidente violento em a usina termelétrica nº 2 de SSH em outubro ”.

*matéria publicada no site da Industriall

 

 

Com a Palavra

TER, 20 de out / 2020

Viva o Movimento Feminista

Só a cabeça desvirtuada de uma parcela da sociedade representada por pessoas como o jogador Robinho, faz questão de não entender porque ela se nutre exatamente da desigualdade e do preconceito

Entidades e Empresas

Entidades

Notícias sobre entidades filiadas e parceiras da CNM/CUT:

Empresas

Informações sobre as empresas em que a CNM/CUT constrói uma organização nacional dos trabalhadores:

CNM/CUT por e-mail

Receba informações da CNM/CUT diretamente em seu e-mail:

Enviando...
Email cadastrado com sucesso!

Redes e blogs

Cálculos

Calcule reajustes salariais e o tempo que falta para sua aposentadoria:

Publicações

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022

383 - ASSEMBLEIA GERAL VIRTUAL APROVA PROPOSTA DE REAJUSTE | Cláusulas Sociais estão renovadas até 2022 - Edição Nº SET/2020
25 de set / 2020

CNM/CUT - Confederação Nacional dos Metalúrgicos
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP (55) 11 4122-7700 cnmcut@cnmcut.org.br
Av. Antártico, 480 - Jardim do Mar - CEP: 09726-150 - São Bernardo do Campo - SP

Saiba como chegar a CNM/CUT


(55) 11 4122-7700